• Quirguistão

    Tash Rabat: nos confins de um país nos confins do mundo

    Numa viagem em que tudo depende do tempo e onde o tempo é tudo menos previsível, manter os planos em aberto é a chave. O Quirguistão é um dos países mais montanhosos do mundo (com uma elevação média de 3000 metros!) e portanto aquela velha máxima das “quatro estações num dia” não podia ser mais verdade, sendo que a estação Inverno tem primazia sobre as outras. A previsão de chuva para a nossa caminha de três dias ao lago Ala-Kul desfez o meu belo plano de Excel e trocou-nos as voltas. Pondo todas as opções em cima da mesa decidimos atravessar o país de norte a sul num dia, de…

  • Cazaquistão

    Lagos Kolsai e Kaindy: o sul do Cazaquistão numa corrida contra o tempo (2/2)

    No nosso segundo dia de exploração tínhamos em mãos uma tarefa epopeica: ver três lagos num dia e ainda voltar a Almaty. E se as epopeias costumavam começar em barcos, a nossa começou num jipe dos tempos soviéticos que ameaçava desfazer-se todo a qualquer momento. As árvores afundadas de Kaindy Meia hora de centrifugadora soviética depois e chegámos ao início da pequena caminhada que nos ia levar até ao lago mais cobiçado do Cazaquistão. Para quem não sabe, o Lago de Kaindy é conhecido pelas suas “árvores afundadas”. O lago formou-se por causa de um deslizamento de terras desencadeado por um forte tremor de terra em 1911. Onde antes passava…

  • Cazaquistão

    Charyn Canyon: o sul do Cazaquistão numa corrida contra o tempo (1/2)

    O Cazaquistão nunca fez parto do plano original de viagem, inicialmente o nosso destino era só um: o Quirguistão. Em duas semanas, parecia impossível enfrentar também o nono maior país do mundo, mas os preços dos voos para Almaty eram consideravelmente mais baratos do que para Bishkek – viemos a descobrir que é por esta razão que a maioria das pessoas acaba por visitar o sul do Cazaquistão – e decidimos que mal por mal íamos dedicar dois dias a explorar o melhor da zona. Depois de muito ler, percebi que para viajar de forma independente iriamos precisar de muito mais tempo do que o que tínhamos e que juntarmo-nos…

  • Islândia

    Uma semana de Verão na Islândia: itinerário e informações úteis

    Nos últimos anos a Islândia explodiu em todo o lado. Literalmente, com o vulcão Eyjafjallajökull em 2010, que lançou o caos na Europa e a Islândia para as bocas do mundo e depois com o Game of Thrones na televisão, na internet com os blogs de viagem e, por fim, no Instagram com os “influencers”. É fácil perceber o porquê do sucesso da Islândia: na Europa já não se encontra esta natureza bruta, especialmente concentrada em tão poucos quilómetros quadrados. Com tanta maravilha junta, a única coisa que pode dissuadir alguém de visitar a Islândia são mesmo os preços. Não há muito a fazer senão começar um porquinho mealheiro chamado…

  • Inglaterra

    White Cliffs of Dover e um sudeste soalheiro

    Nos escassos dias de sol ingleses é quase proibido ficar em casa. O país transforma-se e não há como não alinhar neste movimento: os calções e os chinelos saem do armário, os transportes para o litoral enchem-se e as praias, outrora cinzentas e acastanhadas, tornam-se num paraíso quase tão apetitoso quanto as Maldivas. Não querendo perder esta súbita febre de Verão, também nós nos dirigimos ao sul no fim de Junho. Com os White Cliffs of Dover em mente, conjurámos um plano que incluía Canterbury, Dover e Rye – um mix de vilas tradicionais, falésias e praia. Canterbury: galinhas regatadas e enchiladas Com os nossos antecedentes trágico-cómico nos Airbnb ingleses,…

  • Portugal

    Pelos caminhos do Norte de Portugal

    Durante a minha infância e adolescência fui muito sortuda porque os meus pais se dedicaram a mostrar-me quase todos os cantinhos de Portugal. De Norte a Sul, posso orgulhar-me de conhecer razoavelmente bem o meu país. Mas nos últimos anos, com as mudanças constantes, tenho-me desleixado e, ao mesmo tempo, apercebido que ainda há muito por descobrir. Aproveitando um evento no Porto, não podia deixar escapar a oportunidade de ver (e comer) mais um pedacinho do norte. O plano foi delineado e em dois dias conseguimos fazer Douro e Minho! É pouco tempo, mas por um lado ainda bem porque a comer daquela maneira ficaria obesa numa semana! Amarante: para…

  • Islândia

    10 lugares a não perder no Sul da Islândia

    O sul da Islândia foi a região que levou a maior fatia do nosso tempo. Nesta terra de gelo e fogo abrandámos o ritmo e conseguimos explorar um bocadinho mais a fundo cada lugar, sem nos preocuparmos tanto com a quantidade de quilómetros que ainda tínhamos por fazer. Afinal, é aqui que se encontram algumas das cascatas mais icónicas da Islândia, o maior glaciar da ilha e até os destroços de um avião que por ali se estraçalhou nos anos 70. Resumindo três dias num post, aqui vão os dez lugares que não podes perder no Sul da Islândia: Lagoa Glaciar Jökulsárlón e os outros mil glaciares É em países…

  • Islândia

    O reluzente Golden Circle

    Até então tínhamos visto a Islândia das estradas desertas, cavalos selvagens e parques de estacionamento meio vazios. Ao dia três tudo estava prestes a mudar porque íamos visitar o “Golden Circle”. A poucos quilómetros de Reykjavík, este “círculo” está mesmo à mão e combina três das mais conhecidas atracções da Islândia que são completamente diferentes entre si: o Þingvellir National Park, o Geysir e a Gullfoss. Um pouco a medo, pois os charters de chineses do Golden Circle são lendários, seguimos em direcção ao Þingvellir National Park. Para nossa surpresa, e desilusão dos que apregoam o apocalipse turístico na Islândia, não foi assim tão mau! Em toda a Islândia só…

  • Islândia

    Entre os Westfjords e o Norte, ganhou o Norte

    Às vezes os nossos planos de viagem levam uma reviravolta e, quase sempre, para melhor. No nosso caso, tínhamos em mente que iriamos passar um dia a passear pelos Westfjords até chegarmos ao lugar onde se vêem papagaios-do-mar (puffins) no seu habitat natural. Problema? Eram quase quatro horas a conduzir sem paragens, só para lá chegar, o que significava mais de oitos horas de condução no mínimo. Oito horas para ver uns passarocos que nem sabemos se lá estão! Parecia demasiado esforço para o retorno. A outra opção, que nos surgiu no dia anterior ao olhar para o mapa, seria fazer parte do norte da Islândia, até à Godafoss, a…

  • Islândia

    A Península de Snaefellsnes: uma Islândia dos pequenitos

    Sete dias na Islândia não é muito tempo, mas no Verão a noite nunca chega e os dias de viagem acabam por se prolongar sem darmos por isso. Logo no nosso primeiro dia de estrada fizemos 12 horas! O Google esquece-se que na Islândia, de cinco em cinco quilómetros, há um lugar em que “temos mesmo que parar”… Fazendo o primeiro troço da Ring Road, a Estrada Número 1 que dá a volta à ilha toda, chegámos ao nosso primeiro destino da viagem: a Península de Snaefellsnes. Este bocadinho de terra aparentemente insignificante engana bem! Apesar das distâncias não serem particularmente grandes, há tanta coisa para ver que não fizemos…