• Costa Vicentina: No Trilho dos Pescadores Gourmet
    Portugal

    Costa Vicentina: No Trilho dos Pescadores Gourmet

    Falésias retalhadas, praias até perder de vista, muitas delas intocadas, um mar gelado de mil e uma cores. A Costa Vicentina é como os ingleses dizem “stuff dreams are made of” e é por isso que não me canso de lá voltar. Na terceira viagem do ano a Portugal rumei ao sul do país com os meus progenitores, revivendo uma tradição que se tinha vindo a tornar cada vez mais rara nos últimos anos, para três dias passados a visitar algumas das nossas paisagens favoritas e a descobrir novas. Foi um misto de caminhadas, trabalho de bronze e o último banho de mar do meu ano. Em menos de nada…

  • Caminhada Seven Sisters Inglaterra
    Inglaterra

    Seven Sisters e um escaldão inglês

    Durante algum tempo pensei que a caminhada das Seven Sisters estava amaldiçoada. O simples plano de apanhar um par de comboios para o sul do país e andar umas horas a pé foi constantemente adiado desde Fevereiro e só agora – estamos em Setembro – é que se cumpriu. Como o Reino Unido não é um país com grande densidade populacional de caminhantes, rumei à costa sul de Inglaterra sozinha para algumas horas de contemplação e trabalho de pernas. Apanhando um comboio de London Victoria são no máximo duas horas até Seaford por uma paisagem que rapidamente se transfigura de uma metrópole de milhões para quilómetros e quilómetros de colinas…

  • Suíça

    Pizol: Cinco (+) lagos, termas finas e estar offline

    Algures a meio de Fevereiro chegou o convite: “No Verão devíamos fazer uma caminhada nas montanhas Suíças”. A proposta vinha do meu amigo Adi que na altura se encontrava na etapa final da sua viagem de dois anos de bicicleta da Noruega à África do Sul. Sabíamos lá nós que a epidemia na China se tornaria numa pandemia mundial e que os quilómetros finais da viagem dele ficariam em águas de bacalhau e que os meus planos originais de viagem seriam todos cancelados. Com os destinos de viagem ultra limitados devido à imposição de quarentena no regresso por parte de Inglaterra, voltar à Suíça parecia-me a opção mais apetecível. Com…

  • Cycling Cape2Cape

    [EN]Cycling Cape 2 Cape: Angola, a rushed Namibia and an unexpected pandemic

    Capetown was finally starting to feel within arm’s (or in the case leg’s) reach. Adi and Fabian had only 4000 out of 35000 kilometres left to cycle and after almost two years on the road there was nothing that could stop them from reaching their goal. Except a global pandemic. With close to no notice, the unscheduled life of wilderness was over, and the everlasting African plains were suddenly substituted by the green mountains of Switzerland. Covid definitely knows how to ruin a party.Their last months of travel were spent in both Angola and Namibia and that’s what we will mostly talk about today. After all, the world is still…

  • França

    Paris devolvida aos Parisienses

    Restrições e quarentenas levantadas, estava na altura de voltar a viver e não há melhor lugar para o fazer do que Paris. Acho que posso admitir que estou, desde sempre, viciada nesta cidade que não me canso de repetir. Desta vez decidi fazer uma visita despida de quaisquer pretensões turísticas; uma visita para rever amigos e a cidade a que já chamei de casa. O que encontrei foi uma cidade a despertar do coma induzido que foram os últimos meses. Contudo os Parisienses sabem aproveitar a vida como ninguém e os parques e esplanadas enchiam-se de amigos e famílias à procura de reencontrar alguma normalidade.   Pela primeira vez desde…

  • Portugal

    O Algarve das águas verdes, grutas e praias escondidas

    Os últimos quatro meses foram uma espécie de viagem sedentária. Algumas noites mal dormidas, cozinhar com o que há na prateleira mais recôndita da dispensa e, um sentimento de estranheza cada vez que se põe um pé na rua, que de um dia para o outro se tornou num lugar estrangeiro. Uma viagem que não faríamos nem pagos caso tivéssemos tido escolha, mas já que não tivemos, mais vale sairmos dela um pouco mais sábios (dado que mais pobres é quase certo). Agora que se começaram a desbloquear algumas das liberdades garantidas no passado, estava na altura de aproveitar esta estreita janela de oportunidade para escapar ao segundo inverno inglês…

  • Call for Inspiration,  Cycling Cape2Cape

    [EN] Cycling Cape 2 Cape: The Africa of Kings & Kings

    29000km is a lot of kilometres but that’s exactly what the legs of steel of Adi & Fabian have cycled in the past year and half. Their journey is now reaching its final stages with only three countries to go: Angola, Namibia and South Africa, but that’s the future.   Today we will go through the Africa of Kings and Kings – I don’t think Queens are a thing there – where coronations still happened and each territory has its leader. Benin, Nigeria, Cameroon, Gabon and Congo were the backdrop of their last four months and that is exactly where we are traveling today. In the last interview you seemed…

  • Food for Thought

    Dia Internacional da Mulher. Para quê?

    Há cerca de uma semana a notícia “Desce a esperança média de vida para as mulheres mais desfavorecidas em Inglaterra” fazia cabeçalhos em todos os jornais do país e, há dois dias, um relatório da UNDP revelava que “nove em cada dez pessoas têm preconceitos contra as mulheres”. Se a desigualdade de género fosse um vírus não havia máscaras que nos salvassem.

  • República Checa

    Praga: a sedutora nata

    Ao percorrer as ruas de Praga ficamos com duas certezas absolutas. A primeira é que havia ali arquitectos dos bons. A segunda é que os pintores não lhes ficavam nada atrás. Munida destas duas características que atraem tanto o turista sofisticado como o inglês da festa de despedida de solteiro (o álcool barato também ajuda), Praga tornou-se num destino incontornável no itinerário de capitais europeias. A primeira vez que calquei as ruas de Praga foi ao sair de um comboio nocturno vindo de Cracóvia, com 18 anos (ó meu deus…) em pleno Interrail. Tinha um roteiro planeado, um mapa na mão com todos os pontos que queria ver marcados e…

  • Portugal

    Monsaraz: um regresso ao passado e um presépio singular

    Monsaraz é um regresso ao passado não só por fazer parte de algumas das minhas mais antigas memórias de infância, mas por que ao passar o arco medieval que dá acesso à vila no interior das muralhas somos imediatamente transportados para uma era diferente.   Uma era de casinhas caiadas com portas demasiado pequenas para os humanos de hoje e ruas de xisto para contrastar. Mas o que nos levava sempre a Monsaraz na altura do Natal era o seu presépio. A cada esquina há uma figura de cerâmica, vestida a rigor a representar o seu papel. Os guardas do castelo, a lavadeira, o oleiro e até as ovelhas e…